as pedraS . . .

olhos de ameixas maduras fendidos ao Tudo.

bebia café pelas orelhas hirtas
e propunha novas tramas com novelo de lã:
destecia o destino,
emaranhava o futuro.
o presente era malha vazada
à luz de possibilidades.

sabia da preguiça por herança.

seu pai fora mestre de obras:
construía alamedas de telhas,
ensinava passarinho a morar melhor