as pedraS . . .

Estou começando a aceitar,
Aceitar sentir as coisas no fundo
As coisas fundas no fundo da alma

Estou começando a permitir
O mergulho no momento  denso
O peito comprimido e o corpo oprimido
Dentro de uma atmosfera densa

Estou evitando fugas
Porque já descobri
Que fugas não existem

Estou vivendo a solidão quando
A solidão assim insiste
E aprendendo a viver a companhia
Quando os companheiros vão surgindo
Ao caminho

Às vezes percebo as facetas de Deus
E toda a sua generosa dualidade:
Há momentos em que somos habitantes
Do tempo e do lugar que nos cerca
E há momentos em que somos forasteiros dentro
Desses mesmos lugar e 
Tempo

Somente existe o momento
E se consigo sentir e acatar isso
Se desfaz esse tormento
De se sentir alheio e estrangeiro
A tudo


.

A bondade de Deus ê mostrar-nos o sofrimento e
O seu doce reverso
Quando neste agora
Escrevo uns versos ou
Algo do gênero
E passo a morar pleno no tempo
Mesmo que momentaneamente



(24 de junho de 2017)